Os Super-Heróis do Japão – Parte 1

março 7, 2012 em Na Toca do Jaguar, Notícias por Helder Chaves

Daqui por diante tem início uma série de matérias periódicas sobre os gêneros de super-heróis japoneses em animações e tokusatsus (filmes live action com efeitos especiais) que fizeram sucesso no Brasil e no mundo todo. Mas, ao contrário do que normalmente se encontra na internet, explicaremos tudo o que é realmente interessante e deve ser dito para você ficar por dentro dos tradicionais heróis da  cultura pop japonesa desde os anos 60(ou até mais velhos que isso,se for o caso!) . Uma viagem pelo mundo conceitual dos Japan Heroes.

Heróis japoneses:

Saudades deste tempo…mas,putz…tenho internet agora. ;P Vamos lá google.

Falarei dos pormenores de cada um dos gêneros e suas consequências no mundo ocidental (os desenhos e filmes que foram inspirados em obras japonesas) assim como o inverso.Metal Heroes (Jaspion ; Jiraya; Jiban e cia); Kamen Riders ; Super Sentai (Changeman e os outros 36 esquadrões) ; Ultraman Clan ; Mechas, Transformers e giant robots ; tokusatsus antigos (como o simbólico Fantomas,o morcego dourado) ; etc… cada um terá sua vez. No meio tempo,dicas de seriados pra vocês assistirem e jogos baseados nos tokusatsus mais famosos,mas que passaram desapercebidos aqui no ocidente.

 

A intenção é expandir um pouco mais da nossa cultura a respeito de obras de fantasia ; ficção científica; super-heróis ; quadrinhos e aumentar a sua bagagem de conceituais. E ,é claro,sair um pouco do feijão-com-arroz dos super heróis da Marvel e da DC comics ou até dos animes da época atual. Se você se acha muito bom conhecedor de tokus,manga e outras obras japonesas…é bem provável que vá descobrir MUITO MAIS por aqui : incluindo a base que serviu de inspiração para aquele personagem que você acha ”o melhor herói do mundo” (mas,na realidade,não passa de uma homenagem ou plágio de um herói bem mais antigo do Japão) .

 

E vamos começar com o gênero de tokusatsu mais conhecido no Brasil: pois é dele a grande maioria dos seriados que foram exibidos:

 

————————————————————————————-

*Metal Heroes*

Antes de falarmos de Jaspion,o  herói deste gênero que mais fez sucesso no nosso país ( e é sinônimo de tokusatsu até hoje), precisamos começar a história desde o início, para que todos entendam:

O gênero Metal Heroes tem como base de seu conceitual, trazer de volta a idéia dos ‘’guerreiros e cavaleiros de armadura reluzente’’ e/ou os próprios samurais, combinando elementos já conhecidos dos tokusatsus e mangas de heróis biônicos ou usuários de vestimentas cibernéticas.Bebendo de fontes variadas da ficção científica,como a literatura de Isaac Asimov (criador das Crônicas de Robôs: O universo de‘’Eu,Robô’’ e ‘’A Fundação’’ ) , somado a fórmula dos heróis japoneses ‘’Henshin’’ (que sofrem transformação física/visual para entrar em ação com o seu poder totalmente ‘’destravado’’) , a equipe da Toei decidiu criar personagens que lutassem pela justiça usando de tecnologia avançada (nano-tecnologia e super-ciência) . Demonstrando que, nas mãos certas, não se deve temer a ciência, mas que devemos evitar que a mesma seja usada para o mal.

Esta preocupação, comum na literatura do já citado Asimov,baseada na sua tese da ‘’síndrome de Frankenstein’’,é um resquício do medo que a humanidade possui diante da transformação do tempo e do avanço desenfreado da tecnologia. No final do século XIX e início do século XX, os heróis da literatura e pulp fiction eram adolescentes com alma de guerreiros, que não apenas se viam rodeados de máquinas e robôs super avançados, como ELES PRÓPRIOS eram os gênios cientistas mirins responsáveis por estas invenções. O conceito do herói super cientista começou a mudar, mais notadamente, desde a criação do Superman (em 1938), onde o cientista geralmente era um vilão psicótico, que se vingava da humanidade utilizando a tecnologia contra ela. Então os heróis passaram a ser semi-deuses com poderes mágicos ou genéticos (embora essa palavra ainda fosse pouco conhecida pelos próprios criadores de quadrinhos) que tinham PODER para derrotar loucos que pensavam ser Deus, mas tinham poderes ‘’explicáveis’’ e fúteis,baseados em ‘’truques tecno-científicos’’. Era uma época que os ilusionistas de teatro estavam perdendo seu lugar para as matinês, cada vez mais comuns, dos cinemas perto de casa. Crianças e adultos já não se impressionavam mais com a mística dos truques , logo  a população descobria que, de um jeito ou de outro, era apenas um ‘’engodo fabricado por ciência comum’’. Suspender a ‘’descrença’’ (algo necessário para você assistir um filme de ficção ou ler uma hq sem ficar o tempo inteiro dizendo ‘’Isso é mentira!Isso não existe!’’) estava cada vez mais difícil para o público. E o entretenimento do cidadão de nível médio começou a mudar. Cientistas e empresários inescrupulosos eram os facínoras da vez e o herói era, muitas vezes, uma pessoa comum, sem muita genialidade ou conhecimento científico(existiu uma época onde, ser inteligente, era quase uma marca dos vilões: ao herói ‘’do povo’’, bastava ser ‘’puro’’, corajoso, forte e ingênuo ou até burro!). Ser inteligente ficou mesclado, ridiculamente, a malandragem das ruas. Ser culto era a ‘’maladragem dos ricos’’ e dos ‘’cientistas malucos’’. E deveriam ser renegadas ou ridicularizadas as formas mais sofisticadas de cultura.Tal pensamento ainda hoje é visto como o certo por uma grande camada da população brasileira, cujo conceito de ‘’esperteza’’ é igual a saber enganar o seu próximo e levar vantagem na estúpida ‘’lei de Jerson’’(e pro inferno se é com ‘’g’’ ou com ‘’j’’).

O que provavelmente era uma crítica social( perspicaz) contra a opressão que os trabalhadores sofriam com o avanço da industria, do capitalismo e a péssima condição das fábricas e seu sistema alienador(bem retratado no filme ‘’Tempos Modernos’’ de Chaplin), ganhou força como uma preocupação a respeito do avanço da tecnologia em sí : Tiveram início as duas grandes guerras mundiais! Onde lutar homem contra homem NÃO era mais possível e se tornou coisa do passado. Ganhariam as guerras, a partir dalí, quem tivesse o melhor maquinário bélico. A indústria da guerra tomou forma desde então.

A humanidade estava se espantando com o que poderia criar e temeu o dia em que as armas de destruição em massa sairiam do  controle ou uma terceira guerra aniquilasse tudo. Esse medo foi traduzido por Albert Einstein quando lhe perguntaram como seria o próximo grande conflito global : ‘’Não sei como será a terceira guerra mundial, mas, com certeza, a quarta será com paus e pedras. Pois só isto vai sobrar!’’.

Pode parecer estranho que até os anos 80 e 90 ainda tivessem ecos desta preocupação a respeito de como a tecnologia poderia servir pro bem ou pro mal. Mas,esta preocupação é super atual : apesar de você estar acostumado com os filmes do Homem de Ferro (que nada mais é do que um metal hero,feito no ocidente) e ter internet banda larga em casa, esse avanço da tecnologia ganhou patamares ainda maiores de debate.Pois a pergunta NÃO é mais sobre o avanço da tecnologia ser bom ou ruim e sim ‘’Como vamos conviver com o avanço desenfreado de uma tecnologia que JÁ faz parte do nosso dia-a-dia e nos tornou dependente dela?’’ .

Talvez você ache besteira, mas os acadêmicos e sociólogos (e todo mundo de bem,pra ser honesto) está arrancando os cabelos para resolver a disputa dos ‘’apocalípticos (quem é contra) e os integrados(quem é a favor)’’, respondendo quem está certo ou errado. Imagine só…quinze anos se passaram e eu me lembro bem da época em que vivia muito bem sem celulares ou internet. Hoje em dia, não conseguimos entender como vivíamos sem estas duas coisas e, provavelmente, teríamos dificuldade de voltar a ficarmos sem estas obras da era moderna(ou pós-moderna).Também não sei dizer se isto é ruim ou bom. Esta nova tecnologia, da qual NÃO estamos preparados para dominá-la ainda, nos tornou viciados e rendeu também novas formas de cometer crimes. Como em toda fase histórica da nossa raça, a descoberta de uma nova técnica ou conhecimento que facilite a vida humana é mais rapidamente transformada em arma do que em remédio.

Agora retorne para os anos 80 e vislumbre a seguinte situação: japoneses, que são os filhos e netos de uma geração que viu duas bombas nucleares caírem em suas cabeças, que vivem em um dos países mais avançados do planeta, em meio a preocupação com a ecologia (não…não era moda ser a favor da ”antipoluição” naquela década) e que precisavam de um novo conceitual de heróis para ser exibido nas Tv’s em horário matinal…qual será o tema abordado ? ” Guerreiros que usam armaduras,armamento e tecnologia tão avançados quanto os de seu inimigos e impedir planos de destruição da natureza e escravizar a humanidade” é uma boa sugestão!

Como se percebe acima,é a boa e velha luta do bem contra o mal,usando das mesmas armas contra ela . Mas, se engana quem acha que os seriados japoneses são apenas as mesmas fórmulas maniqueístas que estamos acostumados. Pegando emprestado o que tinha de melhor (nos Super-sentais e Kamen Riders), existem situações de reviravoltas, derrotas, lutas épicas e momentos em que o protagonista pode vir a se sentir só…mesmo estando ele apoiado pela justiça ou em nome dela(seja Justiça Divina ou a Legislação de uma organização mais antiga do que a Terra, que protege a galáxia!). Para se levantar mais uma vez e enfrentar outro dia de jornada. Pois, acima de tudo, os Metal Heroes eram Agentes de Policiamento e Resgate.

 

FASE-1 : Space Metal Heroes ( Trilogia dos Policiais do Espaço e os 2 Guerreiros Espaciais)

———————————————————————————————————-

 

*Gavan:

Detetive Espacial/Policial do Espaço/ Space Sheriff/ ou Space Cop Gavan ou ‘’Gyaban’’ (宇宙刑事ギャバン Uchū Keiji Gyaban) de 1982 foi a primeira série do gênero Metal Hero da Toei e o primeiro da fase conhecida como ‘’trilogia dos space cops’’ ( ou ‘’trilogia dos space cops’’).O personagem também é conhecido na França como X-OR.
Apesar de ser a primeira série de Tv de metal heroes,Gavan NÃO chegou a ser exibido aqui no Brasil na época correta : Jaspion foi transmitido primeiro e conseguindo uma sucesso bem maior. O assunto é longo e irei explicar melhor ao longo da matéria,mas, resumindo : A Globo recebeu a oferta de exibir as séries japonesas,mas menosprezou (como faz até hoje) as produções nipônicas,preferindo apenas produtos Disney ; Wanner ; Hanna-Barbera e alguns outros do mainstream.

O Sr. Toshi (o verdadeiro herói que foi ao Japão conseguir os direitos de exibição/copyright dos tokusatsus da Toei ) decidiu levar os dois seriados que estavam na bagagem (Jaspion e Changeman,o primeiro super sentai a ser exibido no nosso país) e oferecê-los a Rede Manchete.

 

Dois ou três anos depois de muitas tentativas de ridicularizar ou apagar da memória das crianças a existência desses seriados na TV concorrente, a Globo decidiu comprar os direitos de exibição de seriados similares que fossem antigos e baratos.Nisso,ela trouxe seriados que já estavam fora do ar no Japão uns 5 ou até 8 anos : Gavan,por exemplo, foi exibido na emissora do Dr. Roberto Marinho com o nome de ‘’Space cop’’ na abertura e sem nenhum respeito com o horário ou pouco fazendo chamadas e comerciais.
Evidentemente a estratégia da Globo NUNCA foi reforçar a vinda dos tokus pro país.Apenas saturar o mercado ,tornando inviável pra Manchete e qualquer outra sobreviverem com este tipo de produto,que,em pouco menos de três anos,tinha mais seriados japoneses ao mesmo tempo que dois anos da grade de programação de uma TV japonesa. Dessa forma,numa época em que não tinhamos internet, sem revistas especializadas em cultura pop japonesa como hoje e com emissoras velhacas que traziam seriados da década de 60 pra 70 (promovendo a idéia de que eram ‘’ATUAIS’’), produções com uma outra forma de pensar a cultura de entretenimento infanto-juvenil e debates acalorados de imbecís que criticavam os ‘’enlatados japoneses’’ com os argumentos mais fúteis possíveis …não foi difícil imaginar o que aconteceu ,não é ?

 

Voltando ao assunto:
Retsu Ichijouji, filho do oficial Voicer e de uma terráquea , é levado para a Estrela Bird( planeta natal de seu pai) para tornar-se um Policial do Espaço e patrulheiro da galáxia. Anos mais tarde, Gyaban(ou Gavan) retorna à Terra quando o planeta está sob ataque da máfia espacial Makuu, organização liderada pelo terrível Don Horror. Sucesso de público e crítica, a série revolucionou o tokusatsu japonês entrando em um mercado já ocupado pelos gêneros ‘’Kamen Riders’’ e ‘’Super sentais’’( produzidos pela própria Toei) e a família Ultra,de Tsuburaya.

Um policial do espaço(e muitos metal heroes que vieram depois) tinham caracteríticas que logo seriam únicas entre todos os heróis orientais da época : os agentes recebiam treinamento , armas avançadas, veículos variados e uma armadura de combate especial que era sua confirmação e legitimidade de que eram agentes oficiais.Ou seja,o herói era REALMENTE o humano por dentro da armadura e a vestimenta em sí era apenas uma ferramenta de trabalho.Tanto é que a maioria dos metal heroes NÃO possuiam identidade secreta: o nome de civil de Gavan era ‘’GAVAN’’ (ainda que tivesse um nome japonês) e não era um codenome que só representava o personagem em sua forma de herói em ação.Do mesmo jeito acontecia com Sharivan, Sheider, Jaspion e Spielvan.Todos eles eram agentes com uma função e armamento para realizar estes juramentos de justiça.É claro que isto mudou aos poucos na franquia,que não possuia um padrão muito dogmático, como os Riders e os Sentai.

Usando de suas habilidades, armas e armadura, um metal hero clássico poderia fazer frente a um Kamen Rider ou até se equiparar a um Esquadrão inteiro dos Super Sentai com até quatro ou cinco membros ao mesmo tempo (em 2012, Gavan, com mais de 40 anos retornou e, levado a um engano, derrota e prende sozinho o sentai Gokaiger ). Assim como os Riders (que podem destruir um monstro de tamanho humanoide com um golpe com as mãos vazias) um metal hero possui armamento suficiente para eliminar seu inimigos sem ajuda, na maioria dos casos. Os fãs de Jaspion, por exemplo, falam (com muito bom humor) que o mesmo destrói com uma espada o que os super sentai precisariam, muitas vezes, de uma bazuca.

O detalhe da transformação também é bem peculiar : muitos dos metal heroes (incluindo  os cinco primeiros, menos Jaspion) possuem vestimentas de combate que são ‘’teletransportadas’’ (do veículo principal, nave espacial ou base central) em forma de partículas nano-robóticas (que viajam na velocidade super sônica ou até supra luminosa) para se configurarem e solidificarem ao redor do corpo do herói , blindando seu corpo. Numa entrevista recente, o ator que interpretou Gavan confirmou que as armaduras eram como que,’’embaladas a vácuo’’ ao redor dos heróis.

Explicando este conceito muito moderno(até para a época atual) : A nave espacial(e robô gigante) dos personagens fica em órbita geoestacionária aguardando o chamado de rádio de seu piloto-herói. No momento que a sua força física não é suficiente, o protagonista faz seu gestual de transformação(‘’henshin’’ ) e brada o comando vocal que desativa a trava de segurança da nave(que está ‘’vigiando seu dono’’ lá do espaço). A espaço nave transmite para a Terra, através das coordenadas previamente recebidas (GPS ? ) do herói, a armadura de batalha, desmontada em nível nanométrico (ou seja,a vestimenta está separada em partículas menores que a espessura de um fio de cabelo) em uma trilha de energia (que as vezes é radiação magnética) que liga o homem a nave. É como se fosse um ‘’download’’ de um arquivo compactado em win rar ou winzip : o metal hero é o usuário que baixa o arquivo através da internet e a nave seria o site/provedor original do arquivo. Ao chegar ao seu destino, as nanopartículas(que são como nano-robôs) começam rapidamente a se conectar ao corpo do personagem como peças de um quebra-cabeça, remontando a armadura em menos de 2 segundos. Com a transformação completada, os circuitos nano-tecnológicos respondem aos comandos neuro-cibernéticos do ÚNICO usuário permitido para aquela vestimenta. A força é multiplicada, assim como a velocidade. Sensores auditivos e ópticos que analisam espectros de luz e temperatura a longas distâncias também são uma constante nessas armaduras. Resistência a danos físicos também é uma vantagem notável dessas vestimentas: apesar de parecer ‘’frágil’’ , a liga metálica é baseado em um material alienígena muito denso e trabalhado nanotecnologicamente.

Pode até parecer meio forçado ou muito avançado para a mentalidade dos ocidentais : mas, estas idéias são apenas extrapolação de conceitos estudados pela física quântica e pela nano tecnologia, como teorias a respeito de transmissão de objetos sólidos de um lugar para o outro em questão de segundos ou máquinas menores que uma célula que servirão, no futuro, para eliminar tumores cancerígenos sem quimioterapias e/ou cirurgias traumáticas para o paciente!

Espadas que se tornam lâminas de energia semi-sólida e pistolas laser são armamento corriqueiro nas produções de tokusatsu e não poderia deixar de ser no caso dos metal heroes. Pois é com elas, na maioria dos casos, que o inimigo pode ser cortado ao meio .
Alguns olham para esse seriado e dizem : ‘’Meu Deus! É uma cópia nascida da febre de Star Wars: vejam só,até o sabre de luz eles imitaram’’. Calma lá,galerinha sabichona… É e NÃO é bem assim,não.

Lembram de George Lucas,o criador de Star Wars/Guerra nas Estrelas ? Pois é…o que muitos fãs dessa franquia maravilhosa esquecem ou NÃO procuram saber é que o bom e velho Lucas foi até o Japão ANTES de definir sua série e estudou muitos conceituais das séries japonesas. Vou voltar a entrar nessa assunto depois, mas : espadas de luz,fogo ,relampago e energia, de uma forma em geral, são conceitos tão (ou mais) velhos quanto a Bíblia ! Se duvida,veja o anjo que guardava o portal do Éden com uma espada de fogo, segundo a descrição do Gênesis.

Além do mais, espadas energéticas(por natureza ou que se tornam de energia na hora do golpe mortal) são coisa antiga na mitologia japonesa/oriental e nada mais justo que isso existisse nos tokusatsus. George Lucas se inspirou nisso, da mesma forma que se inspirou no capacete dos samurais e no andar tétrico de Hakaider (inimigo de Kikaider que falarei em outras situações) para compor o personagem Darth Vader.

Era o ano de 1977 quando ‘’Star Wars episódio IV ,Uma Nova Esperança’’ (o primeiro episódio a ser feito) ganhou o mundo e fez sucesso,mudando o cinema para sempre(eu não pude acompanhar, é claro, pois tinha nascido poucos meses antes.Hehehe). Provavelmente foi o maior TOKUSATSU FEITO FORA DO JAPÃO, mas pouca gente no ocidente sabia disso. Claro que isto deve ter,no fundo,feito os japas se sentirem fulos da vida e ,ao mesmo tempo,honrados por saberem que suas produções conquistaram os estadunidenses(ainda que eles se sentissem no direito e no poder de fazer da maneira deles,que seja!) . Não demorou muito para que aquilo que foi inspirado nos tokusatsus, voltasse como inspiração para os mesmos e os afetassem. Começaram a sair novos tokusatsus com teor mais forte de ficção científica envolvendo o espaço e alienígenas. Eis,então,que surgiu,em 1982, a idéia de criar um herói espacial com espadas e armas laser, que lute artes marciais, faça voos e acrobacias espetaculares e ainda pilote naves, caças espaciais e robôs gigantes pelo universo. Mas, com o diferencial típico das produções japonesas: não tem essa frescura de ator famoso ficar chateado porque não mostra seu rosto nas cenas de luta (e recusa ou perde a roupa de super-herói bacana pra fazer charminho nas telas). Os heróis japoneses usam vestimenta de combate estilo robô e pronto! Ou vocês nunca se tocaram que os Storm Troopers e o Bobba Fett possuem trajes que lembram heróis nipônicos (principalmente metal heroes) ?

 

 

Levando em consideração a velha teoria dos ‘’deuses antigos eram na verdade astronautas de outros mundos’’ ,e que civilizações mais antigas e até mais nobres que a nossa não apenas existiam como protegem nossa segurança(como se nosso planeta nada mais fosse do que um jardim ou pátio de recreação espacial ou,quando muito,um ‘’interiorzão cheio de matutos’’). Como se a Terra estivesse enquadrada numa área municipal/ distrito policial( que é muito visada por bandidos e conquistadores intergaláticos)de tempos em tempos,um agente seria mandado para cá.Por sermos meio ignorantes do que acontece fora do nosso campo de visão e não termos armamento ou tecnologia para fugir ou enfrentar de forma adequada a invasão de qualquer fanfarrão que caia aqui, o policial do espaço Gavan(assim como os outros) age quase como um ranger do Texas nos antigos filmes de Faroeste. Muito embora tenha armas melhores e saiba kung fu que nem os chineses imigrantes, é claro. Lembra até um pouco o conceito dos Lanternas Verdes da DC comics.

Bem…nesta fase dos metal heroes, inicialmente, a briga entre robôs e monstros gigantes estava meio saturada e Ultraman; Godzilla e Super Sentai já eram concorrência demais. Logo, Gavan, Sharivan e Shaider possuiam naves que se tornavam robôs gigantes,mas estes NÃO lutavam contra gargantuas,apenas contra esquadrilhas de caças inimigos que não passavam de bucha de canhão. Para ser honesto,apesar de achar legal a presença de robôs gigantes desde criança,os robôs da trilogia space cop foram os piores : não possuiam muito carisma e nem eram muito funcionais para uma luta corpo a corpo ,caso fosse necessária. Tirando Dogiran ,o dragão-robô do trovão de Gavan,os outros robôs(de Sharivan e Shaider) só possuiam artilharia e sua ‘’mobilidade’’ só seria possível em gravidade zero! Isso só é quebrado com Daileon, de Jaspion. Mas,estou me adiantando…

Já era famosa nesta época a ‘’pedreira da Toei’’ (que na verdade era alugada,não pertencia a empresa) : uma área onde os dublês faziam as cenas mais perigosas,com direito a explosões de todo tipo. Sempre, em um tokusatsu da Toei, principalmente quando se queria poupar grana das maquetes, a luta muda de cenário e cai na pedreira. No início dos Metal Heroes, era explicado que a organização maligna tinha uma tecnologia de viagem interdimensional. Ao ativá-la, os heróis e os vilões caiam nesta dimensão paralela (que era,claro, a pedreira), onde se escondiam os caças inimigos, prontos pro ataque e onde o monstro aumentava de poder,por se tratar de uma dimensão maligna(provavelmente mundo natal do império alienígena que atacava a Terra). Esse conceito nunca colou muito e os próprios fãs comentavam que não se importavam se existia desculpa ou não para que o cenário da luta sempre fosse nas pedreiras . O argumento de dimensões paralelas e compactas acabou sendo deixado de lado depois de Spielvan.

Gavan é sinônimo de metal hero até hoje(quando a franquia já não existe mais no Japão, como produto da Toei) e seu ator continua em atividade: como falei acima, Gavan é o maior policial intergalático e, sozinho, conseguiu derrotar o grupo super sentai Gokaiger. Este mal entendido é parte da trama do filme especial ‘’Gavan versus Gokaiger 2012’’ que foi exibido nos cinemas japoneses no início deste ano. Gavan é considerado amigo pessoal e treinador de Dougg Krauser,o alienígena canino do planeta Anúbis que comanda os Dekarangers (que foram exibidos de forma alterada naquela picaretagem chamada ‘’power rangers SPD’’ : papo pra quando eu for falar dos Sentai).
Gavan vs Gokaiger – trailer 2012:

Atualização e bônus para aqueles que estão lendo este artigo: encontrei o link para o filme ” Esquadrão pirata Gogaiker vs Detetive Espacial Gavan” deste ano. Assistam enquanto o youtube não retirar do ar(o que deve ocorrer dentro em breve)


Gokaigers são os personagens do penúltimo seriado super sentai a ser exibido no Japão e possuem a peculiaridade de se transformarem nos super sentais dos seriados anteriores (incluindo os Chageman e cia) . Na matéria dos super sentai explicarei mais detalhadamente a respeito deles.

Para assistir, cliquem no ícone do Youtube, pois o compartilhamento foi proibido!

——————————————————————————————————

 

*Sharivan

Policial do Espço/ Detetive Espacial/ Space Sheriff/ ou Space Cop Sharivan (宇宙刑事シャリバン Uchū Keiji Shariban) de 1983 é a continuação direta de Gavan/Gyaban. A série contava a história do ranger florestal Den Iga (que fora salvo da morte por Gavan no decorrer da série anterior) e sua chegada à Terra para combater a Sociedade Secreta Majin-Mad, encabeçada pelo demônio Mao Psych.Sharivan assume o mesmo distrito que antes era de Gavan(que foi promovido a um posto mais alto). Assim como Gyaban, Sharivan sagrou-se um grande sucesso em seu país. Exibida no Brasil com os nomes ”Detetive Espacial Sharivan” e ”Sharivan, o Guardião do Espaço”.

Ao contrário do que podemos pensar, Sharivan possui habilidades e técnicas de luta parecidas com as de Gavan, mas que, na realidade, complementam as de seu antecessor feito um espelho ou um ‘’jogo dos sete erros’’ : eles são como Ryu e Ken de Street Fighter. O que é de um jeito em um personagem é levemente alterado no outro. Sharivan usa uma pistola laser para ataques a distância, enquanto Gavan dispara rajadas de seu punho direito. Gavan possui uma armadura de cor prateada(branca) enquanto Sharivan possui uma de cor vermelha metálica. O curioso nisso é que a cor das motos dos dois é inversa : Gavan usa uma moto voadora vermelha enquanto Sharivan usa uma de cor branca. E por último, apesar de ser admitido que a tecnologia de transformação da armadura de Sharinvan seja mais eficiente e mais rápida do que a de Gavan, a resistência e a imponência deste são superiores: ele nem sequer monta nos seus veículos! Gavan fica em pé, magnetizado na superfície, como se fosse um semi-deus no focinho de seu dragão. Ou no sidecar de sua bike vermelha como se um piloto invisível no banco do motorista o levasse.

Num crossover que ficou marcado na história da franquia, como os crossovers que ocorrem nas séries de Kamen Riders e Ultramen,  o último episódio (de número 51) de Sharivan mostra o detetive espacial convocando a ajuda de seu amigo e tutor Gavan para eliminar seu inimigo de uma vez por todas. Como ocorreu na série toda, um leve viés espiritualista/mistico cercava a trama a respeito da ligação de Den Iga e seu planeta, ao ponto de receber, feito o Rei Arthur de seu mundo natal, a Espada Solar de Iga.

O ator de Sharivan também se tornou bastante carismático, ao ponto de ser chamado para fazer mais dois papeis importantes em dois seriados metal heroes posteriores: fez o papel de Boomerman( ‘’Boomerang’’ no original) em Jaspion e foi Spielvan no tokusatsu homônimo.

 

——————————————————————————————————–

 

 

*Shaider


Policial do Espaço Shaider ou Sheider (宇宙刑事シャイダー Uchū Keiji Shaidā ) de 1984 é a última série da trilogia dos policiais espaciais e acompanhava o jovem Dai Sawamura em defesa da Terra contra o clã Fuuma.Muito ligada ao folclore asiático e a mitologia inca , certas situações ficaram bizarras e até levemente circenses para os ocidentais,pois tratava , mais uma vez da pergunta : ‘’seriam os antigos deuses e demônios da mitologia seres alienígenas ? ‘’ e , caso positiva a resposta , o quanto de nossa cultura e folclore , envolvendo carruagens voadoras, vimanas e super seres ,  não seriam provas de visitas e invasões anteriores ?
Embora a série tenha seguido a mesma linha das produções anteriores, Shaider não repetiu o sucesso da fórmula, sequer alcançando seus antecessores quando exibida em seu país de origem. Conhecida no Brasil sob o nome Shaider ,você só tinha chance de ver essa série,nos meados dos anos 90,se tivesse nada pra fazer durante o dia seguinte: é que a Globo,no seu desejo de ter uma coisa só para que as outras emissoras não a exibam e fazer inveja (feito o Kiko do ‘’Chaves’’), comprou os direitos sobre Shaider,mas NÃO exibia o tokusatsu em horário normal/comercial . Mas,como ela TINHA,por obrigação contratual, de passar em algum horário,Shaider era transmitido nas madrugadas,após o ‘’Corujão’’.

Obs: ‘’Boa estratégia,Globo’’. Mas,não me derrotou,não.Pois assisti essa porcaria inteira de madrugada durante um mês.Sua desgraçada!!!! ;P
As três séries do gênero ”Policiais do Espaço” tinham muitas coisas em comum: suas transformações acontecem em milésimos de segundo; O vilão principal sempre é um personagem que possui o corpo imóvel num trono ao longo da série e que NÃO podiam lutar fisicamente como um ser humanóide faria(Don Holer, Maoh Saiki e Kubilai); também possuiam uma equipe de assistência restrita,tendo mais contato com uma secretária/assistente jovem e bonita. Por sinal,Shaider era o ÚNICO onde a assistente realmente era treinada para lutar e,muitas vezes,o ajudava nos combates contra exércitos de capangas.

 

O ator que interpretou o herói Dai Sawamura/Shaider ,  Hiroshi Tsuburaya , curiosamente era neto do criador de Ultraman (que é uma franquia da concorrente da Toei) Eiji Tsuburya . Infelizmente, devido um cancer, Hiroshi faleceu na década passada, deixando o mundo tokusatsu um pouco mais triste.

Uma coisa a se destacar: diferente dos outros space cops , Shaider também tinha uma nave , a  Babirus (ou ”Vavilos” )  , que se transformava em robô ,  não muito carismático, que só era usado em combates aéreos contra caças do império inimigo. Porém , esse robô era um triple changer: além das duas formas mais comuns,também se transformava numa bazuca gigantesca ( a Big  gun Magnum) . Shaider, no solo , fazia os gestos que eram interpretados pela bazuca flutuante como se esta estivesse sendo manipulada por um Shaider gigante (uma aura colossal feita de energia e nano-robôs na forma de Shaider,representando que o herói virtualmente estava alí segurando a arma) que dispara sua rajada mortal . Ou seja,era quase um ‘’Kinect futurista’’ onde é possível controlar uma bazuca voadora a distância a grosso modo. Isso era um detalhe que só iria se repetir dois anos depois em Spielvan.
TRANFORMAÇÃO DOS 3 SPACE COPS:


Curiosidade a respeito dos nomes: Cada um dos protagonistas da trilogia, e dos dois últimos metal heroes espaciais, possuiam nomes peculiares. A escolha dos nomes é bem curiosa : segundo dizem,é uma manipulação/corruptela dos nomes de vários atores e cineastas famosos da nossa realidade. ”Gavan ou Gyaban” na realidade vem do nome de um ator(se não me falha a memória francês) chamado ‘’Carlos Gavan’’ . ”Shaider” é baseado no nome de ‘’Roy Scheider’’. ”Spielvan” é baseado no sobrenome de Steven Spielberg. Jaspion quase padeceu deste estranho mal/charme : Dizem que ele iria se chamar ‘’Deniron’’,ou seja ‘’Robert DeNiro’’ .
Tendo em vista a pouca repercussão de Shaider, as séries seguintes foram idealizadas de forma semelhante, porém com certas alterações. No entanto, elas não são continuações dos Uchuu Keiji, nem relacionam-se uma com a outra.Por um tempo,até se perguntou se todas as séries de Metal Heroes que vieram a seguir pertenciam ao mesmo universo cronológico.

 

———————————————————————————————————-

————————————————————————————————————

*JASPION

 

Investigador Especial de Monstros/Feras Gigantes Juspion (巨獣特捜ジャスピオン Kyojǔ Tokusô Jasupion )de 1985 foi concebida nos moldes dos Policiais do Espaço,Sendo que o herói NÃO era oficialmente um policial de nenhuma organização e legislatura intergaláctica(até onde se sabe). Por isto,chamavam ele de ‘’investigador’’, como se fosse um detetive particular sem registro formal. Na verdade, como veremos a seguir, este era seu ”disfarce” para poder entrar em vários planetas sem levantar suspeitas da máfia espacial e da seita do império dos monstros.

O nome do personagem era uma aglutinação de ‘’Justice Champion’’ (o ‘’campeão da justiça’’ em inglês) que virou ‘’Juspion’’, dublado como ‘’Jaspion’’ (da maneira como é pronunciado no Brasil e Japão).
Jaspion” narrava a saga de um garoto órfão criado pelo profeta-cientista galáctico Edin para um dia tornar-se o guerreiro que destruirá o demônio Satan Goss e seu império dos monstros(feras ou bestas gigantes na versão original). Embora Jaspion possua certas modificações em relação a seus antecessores (sendo a principal delas a utilização de um mecha gigante de batalha), a série não obteve o sucesso esperado pela Toei.

Primeira série do gênero a ser exibida no Brasil (sob o nome ‘’O Fantástico Jaspion’’), tornou-se um sucesso instantâneo em meados dos anos 80, desencadeando uma febre nacional do gênero tokusatsu no país.
O protagonista possuia um conceitual bem arrojado pra época: para ser honesto,até comparo Jaspion com o perfil de Goku, de Dragon Ball.

Chamado de ‘’Ginga no Tarzan’’ (O Tarzan da galáxia) ou de ‘’Lobo do Espaço’’ quando está usando a armadura (Ginga No Ookami), Jaspion foi criado em um planeta com animais e feras de tamanho colossal. Brincalhão e bom amigo, o rapaz cresceu com muita ingenuidade e sem desejo de participar de situações violentas, quando se viu no meio de uma profecia : ele TINHA de lutar. E muitas vezes iria lutar contra os seres que ele mais respeitava: animais/feras gigantes que se tornavam monstros caso fossem atingidos pelo raio de metamorfose do demônio Satã Goss.

Quando nosso herói ainda era criança, Edin, secretamente, permitia que Jaspion lutasse contra colegas usando armas em competições amistosas. Sem saber, o garoto estava sendo treinado para receber suas armas de verdade e viajar pelo universo, ao lado da ginóide(andróide feminina) Anri:

- A armadura Metaltex de Ejinium ( um trocadilho com ‘’metalico textil’’ ou ‘’tecido metálico’’) feita de material raro e sensível a magia e poderes mentais. E que pode se configurar ciberneticamente ao redor dele, ou ficar compactada,em forma de energia e nanopartículas em seu corpo. Sendo ativada apenas com um pensamento e um leve gesto (colocar as duas palmas das mãos abertas próximas das temporas e se concentrar). O próprio herói e a armadura(ao contrário dos metal heroes da trilogia space cop) eram quase como uma coisa só: Não eram transmitidas por uma nave gigante e a perda/gasto de energia cósmica da armadura refletia na saúde de Jaspion e vice-versa. Em muitas situações, ele e a armadura praticamente se transformavam em energia viva e escapavam ou investiam contra os inimigos na velocidade do som, ou acima, para se ‘’solidificarem’’ pouco depois.

Isso levantou questões ainda não respondidas, como : Jaspion foi transformado ao receber a armadura e se tornou algo acima do humano ? Um cyborg propriamente dito ou um ser de luz como os Ultramen?

Existem especulações de que Edin criou (ou descobriu) a armadura metaltex para usá-la contra Satã Goss,mas já estava bem idoso para fazer frente a um exército de monstros.Outros teorizam que Edin já foi o guerreiro ”lobo galático”  quando ainda era um jovem (o velho profeta era quase imortal e já possuia cinco mil anos ) e procurava um sucessor perfeito para receber a armadura. Estavam no páreo(sem saber), duas crianças : Jaspion e John Tiger, seu amigo, e rival de infãncia(estilo Ryu e Ken). John seguiu o caminho do mal por um tempo e virou um assassino profissional.
-Pistola laser Beam Scanner Gun (‘’Turbo magnum’’ aqui no Brasil) e Plasma Blazer Sword que só poderiam ser habilitadas após a transformação ; a rajada da pistola parecia aumentar ou diminuir de intensidade conforme a energia e humor/foco de Jaspion. Com a espada(batizada de ‘’espadium laser’’ por aqui) era possível fazer o golpe mortal ‘’Cosmic Laser’’ (‘’Cosmic Halley’’ no original).

O brinquedo da pistola  que nunca saiu no Brasil oficialmente:

Era como um jogo interativo : na pistola vinham dois rolos de filmes intercambiáveis. Cada filme mostrava várias cenas de luta do seriado e, assim como Jaspion, você deveria disparar na hora certa para derrotar inimigos e monstros. É como um jogo de ”House of Dead’ ‘. E isto em 1985, moleque !!!

Ao contrário da maioria dos seriados, Jaspion nem sempre terminava o episódio destruindo um inimigo importante ou fazendo seu golpe mortal:ele só o usou pela primeira vez contra Ikki,depois de 10 episódios) Uma curiosidade: o golpe mortal da espada, assim como muito dos movimentos de energia do herói, foram pensados tendo como tema o fenômeno popular que chamou a atenção e curiosidade das massas , o cometa Halley(que tinha ‘’passado pela Terra’’ mais ou menos naquela época).

-Os veículos: Allan Moto Space (na realidade ‘’Iron Wolf’’ no original) ; Garbin (um tanque voador com dois módulos que separam: Garbin Jet e Garbin Tank Drill) e ‘’A Super Nave-Mãe/Cruzador de Combate Interplanetário Daileon’’ , que servia de base,quartel general e aeroporta-aviões de todos os veículos anteriormente citados. O resultado de tudo isso você verá abaixo:

-Gigante Interplanetário de Batalha Daileon ; de longe o melhor e mais divertido robô gigante (mecha) transformável de toda a história do tokusatsu no Brasil. Interpretado pelo mesmo dublê do Change Robô e do Flash King, Daileon sai na porrada contra qualquer monstro gigante, nave, robô inimigo ou até contra o próprio Satã Goss. O dublê não teve pena da fantasia: caia no chão,rolava,saltava e até arriscava movimentos de luta livre. Era uma diversão espetacular quando Daileon entrava em cena e, até hoje, conseguiu fazer um feito que nenhum robô de metal heroes (e, quem sabe, até de super sentai) fez : o robô era TÃO famoso e carismático quanto o protagonista. É como se ambos fossem irmãos ou parte de um único ser. Em um dos episódios mais dramáticos, Daileon, quase por impulso próprio, sai de seu momento de reparos e voa até Jaspion para protegê-lo, como se estivesse vivo, compartilhando energia cósmica com ele.


Jaspion26 Contra Ataque daileion por newl004

Brinquedos:

Curiosidades que só o doido do Helder Chaves percebe para você: apesar disso nunca ser abertamente mostrado no seriado ou mesmo nos brinquedos oficiais da Bandai, já notaram que a cabeça do Daileon é o Garbin Tank combinado com a ponte de comando da nave?

Não entendeu? Eu explico:


Daileon, ao se transformar, do seu queixo(e parte do ‘’rosto’’) para baixo(ou seja,quase o corpo inteiro do mecha) é a nave Daileon. Tudo bem. Nenhuma novidade nisto. MAS, a cabine em sua testa e as temporas são partes do Garbin Tank e Garbin Jet. Ou seja,Daileon também sofre o que é chamado no Japão de ‘’Gattai’’ : um mecha cujo corpo é formado pela fusão de dois veículos ou robôs individuais num só. Mas, isto NUNCA foi devidamente revelado, embora sugerido em vários momentos.
E um destes momentos aconteceu quando Jaspion precisava invadir a fortaleza super bem guardada de MacGaren e resgatar um cientista que estava sendo mantido prisioneiro e obrigado a idealizar um ”super engine” que levaria o planeta Terra pelo espaço como uma espaço-nave de tamanho colossal.Jaspion estuda as plantas da fortaleza e percebe que terá de fazer um ataque com todos os seus veículos em etapas: na primeira etapa,ele ataca com seu maior e mais resistente veículo, o encouraçado Daileon em sua forma de nave. Atravessando a parede da fortaleza com o bico/hangar da nave, Jaspion automaticamente parte para o interior da instalação, dentro de seu garbin tank em mode drill (broca). O terceiro ataque acontece quando a base fica mais estreita e se torna perigoso , para a vida do cientista, entrar com tudo : do Garbin tank,ele ejeta com sua moto.

Ou seja,Jaspion está montado em sua moto que, por sua vez, é parte da cabine do Garbin Tank que, por sua vez, é a cabeça do DAILEON. Um veículo dentro de um veículo, dentro de outro veículo, como uma boneca russa Matroshka (sim,sim: aquele arquivo de vídeo ‘’mkv’’ que você baixa vem de ‘’matroshka video’’ ,uma coisa compactada dentro de uma maior).

Mas, isto é muito revolucionário,não é? Nem tanto. É legal entender uma coisa: o mecha Daileon,na verdade,é a soma dos conceituais de UMA PORRADA de mechas e super robots japoneses de desenho animado e tokusatsu que você nem imagina (e cuja maioria mal passou por aqui).

Exemplos :

-Go Nagai,criador do tenebroso Devilman,conceituou vários robôs gigantes chamados ‘’Mazingers’’. Os Mazingers(que falarei num outro dia) revolucionaram a animação japonesa de robôs gigantes, pois, ao contrário dos que vieram antes, ele era PILOTÁVEL!!!

’Como assim ?!’’ É simples: antes de Go Nagai,ninguém tinha pensado em fazer um robô gigante com uma cabine pro sujeito pilotar.Todos os robôs anteriores eram mechas que estavam vivos(Transformers) ou que eram controlados a longa distância via rádio ou sensores de voz e gestual.Mas todos tinham seu ‘’piloto’’ fora de seus corpos mecãnicos. Go Nagai foi o primeiro a pensar num robô que era pilotável feito um veículo.

No início,Nagai criou o Energer-Z (leia ‘’Zetto’’ ),que era um robô que ficava imóvel,aguardando seu piloto.O herói era um motoqueiro de alto nível,com uma moto especial.Na hora do perigo,uma rampa saia das costas do robô,que se ajoelhava para receber seu dono.O motoqueiro subia a rampa até a cabeça do mecha(que não possuia nada dentro do crânio) e se fundia a ele.Daí por diante,o motoqueiro e a moto,servindo de poltrona e controle do mecha (ou até melhor dizendo:seu cérebro) se tornavam parte do Energer.

Mas,temendo comparações com os Kamen Riders(Nagai era assistente do criador dos personagens motoqueiros),o autor abandonou Energer-Z por muitos anos e criou Mazinger-Z que possuia o mesmo conceito do mecha anterior,mas com uma diferença: o veículo que entrava em seu crânio era um jato de combate.


Daileon faz a junção dos dois conceitos criados por Go Nagai: Jaspion está montado numa moto especial; que está dentro de um veículo (o garbin tank) ; que está dentro(ou formando) da cabeça do mecha.Jaspion está pilotando um complexo de veículos,um dentro do outro!!!! Na última vez que algo deste tipo foi visto,foi em meados dos anos 2000 com o anime Gurren Laggann.

-O ataque mortal dos punhos do mecha, o‘’Golpe Daileon’’ (’’atomic crusher’’ no original) na verdade é uma mistura do soco foguete dos mechas de Go Nagai com o soco atômico de Gigantor (Tetswajin 28).

Mas,isto não é tudo: E o Satã Goss,hein ? Que todo mundo pensa que é ‘’só uma imitação gigante do Dath Vader’’.não é? Também estão parcialmente enganados,meus amigos.Mas,vamos por partes…

Apesar de muitos negarem, e querendo evitar polêmicas,”Jaspion” fala muito de várias obras e tendências daquele tempo na literatura, Tv , Cinema e quadrinhos(Star Wars; Planeta dos macacos;Exterminador do Futuro, etc…) mas também falava muito de mitologia e de religião. O seriado em sí é repleto de alusões ao cristianismo e a eterna luta dos homens de Deus contra o diabo.Edin,que era tanto profeta e filósofo quanto cientista,tinha seu ar de Moisés misturado ao do bom Mago branco Gandalf de Senhor dos Anéis(anjos encarnados na realidade deste universo de Tolkien) e uma pitada de Obi-wan-kenobi.O Pássaro Dourado,uma alusão ao Garuda e a fênix (que é tanto um símbolo de Jesus Cristo quanto do Espirito Santo,em forma de pássaro, no oriente) que servia de protetor da humanidade e caçador de demônios,representados pelo lider de todos eles : Satan Gorth(adaptado como ‘’Satã Goss’’ aqui no Brasil).

Citações a Árvore da Vida; Uma bíblia em uma tábua de pedra,com um Testamento repleto de profecias mais antigas que a Terra;crianças sendo manipuladas por bruxas e que cometiam crimes; tramas para corromper a alma humana e torná-los monstros do exército do mal; garotas que seduziam os rapazes para que eles tomassem drogas mutagênicas em boates; destruição da natureza e transformação de animais(vivos ou até extintos como os dinossauros) em monstros,deturpando a obra de Deus; profeciais que envolviam sete pessoas escolhidas por Deus em meio uma luz divina(cinco crianças + 1 guerreiro de prata+ um bebê iluminado ; 7,número da perfeição de Deus pela cabala) ; guerreiros que enfrentavam sacrifícios para derrotar demônios e salvar a vida de uma sociedade estúpida e ignorante que mudava de lado toda vez que a organização do mal oferecia benefícios ilusórios.Jaspion foi,de longe,o mais CRISTÃO de todos os tokusatsus de que tenho notícia.Recomendo a todos aqueles que estudam religião(de forma saudável e não fanática) fazerem análises da série inteira e se divertirem com a mensagem positiva,porém forte e realista a respeito do bem contra o mal e de como existem mais pontos cinza do que é comum se pensar. E para os ditos ‘’servidores de Deus’’ , que insistem em criar desenhos animados ,que ensinem os valores cristãos,como se as crianças fossem estúpidas e levando na orelha um monte de ladainhas (e lavagens cerebrais)que inferiorizam suas capacidades de julgamento: Aprendam como se faz uma obra de entretenimento com mensagens cristãs sem falsa hipocrisia ou super proteção.Crianças tem o direito ao lúdico,ao contato com super-heróis fictícios ,que não fiquem estampando em suas testas um crucifixo e nem precisem levar bíblias debaixo do braço para todo o canto.Ser cristão é questão de atitude,sacrifício,bom exemplo,bom raciocínio e bom julgamento das palavras de Deus.O que é bem diferente de ser um fanático ignorante que só pensa aquilo que seu pastor lhe julgar o melhor. Mas,parece,que isto não é fácil até hoje: Jaspion,na época de sua exibição, foi atacado por manifestantes de igrejas evangélicas aqui no Brasil e seus fãs foram hostilizados nas escolas e igrejas.O que é totalmente irônico,pois ,de forma inteligente,a mensagem deste seriado era exatamente a propaganda,de forma lúdica e pop,de tudo aquilo que Jesus teria ensinado : Ajudar os mais fracos e praticar a justiça e a fé contra o mal até o fim.Mesmo que a morte esteja perto,não esmorecer e ‘’lutar a boa luta’’.

Sobre o conceitual que formou a estética do vilão Satã Goss: Apesar do capacete,cor e andar meio Dath Vader (que todos gostam de cutucar quando assistem ao seriado) ,devemos lembrar aquilo que falei antes…o capacete de Dath Vader foi inspirado no dos antigos samurais e seu andar, e estilo ‘’tétrico/angustiante’’ (com respiração pesada e tudo) ,eram inspirados em Hakaider.Ou seja,o visual de Dath Vader foi inspirados nos ‘’designs japas’’ e ,depois,retornou como inspiração para eles.Nada demais,apenas a globalização funcionando pro bem.

O que pouca gente lembra, ou sequer tem idéia,é que Satã Goss NÃO é um robô ou um cyborg gigante: é o lider mutante dos demônios.No seriado é explicado que a raça de Satã Goss e seus filho nasceu de uma forma de vida mais antiga que a espécie terrestre, e que neles o elemento químico básico NÃO é o carbono e sim o enxofre e outros.Em muitas religiões e mitologias,o chefe dos demônios que desafia Deus sempre se diz averso a humanidade da qual não os vê como iguais.Lucifer/Shaitan(origem da palavra ‘’satã’’ ou ‘’adversário’’),segundo a versão dos Islâmicos,teria se negado a servir a humanidade por ela ser constituída ‘’de barro primordial’’ enquanto ele e os anjos seriam feitos de luz e fogo, uma matéria muito mais nobre.Ou seja, a idéia facista e eugênica dos nazistas da segunda guerra estava impregnado no vilão(como todos os grandes vilões imperialistas da história e literatura mundial). Assim como nos demônios de toda e qualquer cultura.E se formos especular mais,podemos lembrar também que os capacetes de Darth Vader e Satã Goss lembram mais um elmo militar nazista do que capacetes de samurais na realidade.

Mas,vou deixar de rodeios e mostrar qual é o verdadeiro inspirador de Satã Goss: ao retirar a armadura(perto do fim da série),onde é explicado que a vestimenta era mais uma casca ou casulo de metamorfose, Shin Satan Gorth(‘’o poderosos Satã Goss’’ na dublagem brasileira) é revelado. A aparência demoníaca de Goss é totalmente baseada em outra obra clássica do mangaka Go Nagai,o ‘’Devil Lord Dante’’ (Mao Dante no original). Uma obra da literatura de terror (que eu não recomendo para os mais sensíveis ou impressionáveis) que marcou época e falava de um rapaz que foi sequestrado e sacrificado para servir de hospedeiro e combustível para o Rei dos demônios Dante.Uma criatura gigantesca com asas de morcego,chifre e tudo que temos de horrível em nossas memórias infantis quando falamos de diabos.O negócio muda de figura quando o rapaz,usando todo seu lado humano,consegue DOMINAR o monstro e transformando-o em seu ‘’veículo de combate’’ para lutar contra outros seres das trevas. Ou seja,Go Nagai criou o primeiro robô gigante pilotável ,assim como o primeiro(e talvez único) monstro gigante pilotável! O herói ficava fundido na testa do monstro,controlando-o: apenas parte do rosto fica visível na fronte do monstro Dante,como se fosse um ‘’terceiro olho’’ !


O vilão de Jaspion representa o maior e mais maligno ser criado por Go Nagai enquanto Daileon,representa o maior herói criado pelo mesmo: Mazinger-Z. Nada mais justo homenagear esse grande criador de mangas que marcou época na cultura pop do Japão.Acredito até que,para ficar ainda mais parecido com Mao Dante, chegaram a pensar na idéia de fundir MacGaren (‘’Mad Galant’’ no original) na testa do pai e mestre. Mas,por algum motivo a idéia foi meio abandonada e sugeriram que,se não tivesse morrido,MacGaren se tornaria um segundo Satã Goss em questão de tempo.No lugar,colocaram um episódio onde Rod,um rapaz que fugiu do exército de Satã Goss (após descobrir que a promessa de emprego era uma mentira diabólica:coisa que acontece na nossa vida real com retirantes e o mercado de escravas brancas) é quase sacrificado para se fundir a testa de um monstro gigante que também se parece com Mao Dante de Nagai.

A armadura de samurai e o conceito de ”deus sombrio” , meio ”golem” japonês, não preciso nem esticar o assunto: inspiração no clássico nipônico ”DAIMAJIN” (O demônio gigante).

As lutas de Jaspion são outra conversa a parte: espetaculares!


Jaspion 41 - O Atirador da Justica por newl004


Jaspion 35 - A Descoberta do Pergaminho por newl004


Jaspion 42 História de Pep e Hyroshi por newl004


Todos os atores principais tinham cenas de ação dinãmicas e divertidas.E a grande maioria realmente eram alunos da JAC- Japan Action Club (academia e agência de dublês japonesa) ou peritos em artes marciais e acrobacias.MacGaren era vivido por um ator veterano e em muitas situações roubou a cena.Destaque também para os ‘’reis celestiais’’ (quadridemos) ; Kilza, a bruxa galáctica; e os cinco ninjas espaciais(que eram uma espécie de super sentai do mal). Até mesmo a ginóide Anri teve um momento de ação,manuseando um rifle laser e usando turbinas nos pés (no melhor estilo Astro Boy e Megaman).

Até hoje eu NÃO entendo como Jaspion não teve o merecido sucesso no Japão,como aqui no Brasil e em alguns outros países.Mistérios…

No futuro,devo voltar com Jaspion(pois sempre esqueço alguma coisa) e mostro a entrevista exclusiva que o ator fez para a Revista Herói,alguns anos antes.
——————————————————————————————————–

———————————————————————————————————

 

*SPIELVAN


Guerreiro Dimensional Spielban ou Spielvan (時空戦士スピルバン Jikū Senshi Supiruban) de 1986 contava a história de Sharivan (que assume o nome de ‘’Yusuke Jou’’ ou ‘’Kenji Sony’’ no Brasil) e Diana, um casal de órfãos enviados ao espaço em uma nave super-tecnológica após sua terra natal, o Planeta Clean, ser destruído pelo  Império Water. Muitos anos depois, quando Water ataca o planeta Terra, os dois partem para nos defender  das investidas da organização, chefiada pela Rainha Pandora e pelo misterioso Senhor Water. Foi exibida no Brasil sob o nome de Jaspion 2 nas chamadas e comérciais da Rede Manchete, numa jogada de marketing (furreca) para obter audiência na popularidade de seu antecessor (embora o nome Spielvan fosse mantido na dublagem).

 

O motivo da jogada era até óbvia: Spielvan tinha a armadura quase idêntica a de Jaspion,com a diferença que inverteram as cores prateado e preto,dando a idéia de complementação e inversão proporcional/dicotômica de Gavan e Sharivan.Além do mais,o mesmo ator que fez Boomerman(e Sharivan) em Jaspion,fazia o papel de Spielvan também.Tinha gente que jurava que este era o seriado do Boomerman que ficou na Terra no lugar do herói.Mas,o boato mais interessante é que o design da armadura de Spielvan na realidade tinha sido criado ainda na época de Jaspion,pois realmente teria sido cogitado dar a Boomerman uma armadura metaltex.Mas esta não foi terminada a tempo e,entre outras coisas,devido a falha de carisma com o público  e o fato de ”um OUTRO guerreiro iluminado” não ter sido cogitado na profecia.O que causaria contradições que afetariam o conceitual pré-definido.

Enquanto que, em ”Jaspion”, o ator Hiroshi Watari interpretava apenas um guerreiro armado de dois bumerangues buscando vingança contra MacGaren pela morte de seu irmão,nesta nova série ele ganha a segunda chance de interpretar um metal hero de verdade.Perdidos com o conceitual da franquia,pois ,devido a pouca audiência de Jaspion ,a Toei(que desta vez estava recebendo apoio indireto de Ishinomori e sua produtora) decidiram resgatar vários dos elementos da trilogia dos space cops:
Jaspion se transformava sem fazer muitas poses,gestos e sem bradar nada(contam a história que o ator DETESTAVA a transformação dos space cops e sugeriu fazer algo bem simples) Spielvan voltou a fazer juz aquele tipo de transformação da trilogia anterior ,com narrativa descrevendo passo-a-passo a metamorfose,pose de apresentação e tudo mais.A armadura era novamente externa ao seu corpo(vinda de sua nave Grand Nascar) e sofria o processo de solidificação e cristalização das nano-particulas conhecidas como “Clin Metal Super Corpuscles” .Ao contrário dos metal heroes anteriores,seria a primeira vez que a assistente do herói era uma guerreira que também possuía uma armadura especial,com transformação e tudo: Diana se tornava ‘’Diana Lady’’ (Lady Diana),muito embora não possuía uma espada e,portanto,NÃO tinha nenhum golpe mortal como o protagonista principal.Diana é a primeira ‘’Metal Heroine’’,portanto.

Como o robô-nave de Shaider,o Grand Nascar de Spielvan também era um triple changer(termo comum entre os fãs de Transformers para um robô que possui 2 formas extras e não 1) que ,dependendo da necessidade,variava entre nave gigante; mecha de artilharia (que só enfrentava caças inimigos também); ou bazuca gigante.Um dado curioso é que,em um único capítulo,que chamou muito a atenção,mas nunca aproveitaram corretamente o ‘’gancho’’, Spielvan revela que aprendeu a lutar e continua treinando todos os dias com um metal hero/andróide chamado Teacher,que era a manifestação em holograma sólido(como ocorre na ”Sala de Perigo e guerra” dos X-men) da consciência da nave. Nunca foi explicado o porquê deste personagem ter esta aparência(seria ele baseado nos dados de um metal hero que existiu em uma outra época?) ou utilizado Teacher fora da nave ou como sistema de defesa contra quem invadisse o Grand Nascar.

Infelizmente a infame troca de dimensões para explicar como o cenário de batalha ia sempre pra pedreira da Toei , retornou : a diferença é que Spielvan é que comanda essa dimensão compacta e muda a luta para outro lugar,evitando que inocentes sejam atingidos no fogo cruzado. A policia bem que gostaria de ter um dispositivo desses quando está enfrentando traficantes que usam como escudo o povo do morro.

Ao longo da série,Spielvan descobre que sua irmã e pai ainda estavam vivos e mantidos como reféns do Império Water: Helen ,que foi transformada em Hellvira/Herbaira,uma guerreira com armadura escarlate e sofreu lavagem cerebral para se tornar assassina do próprio irmão. E o Dr. Paul(Ben,no original) que se tornou contra a vontade no Dr. Bio,o geneticista chefe do império Water.
Libertando Helen de sua programação,a jovem se tornou a nova aliada do irmão e ganhou uma armadura idêntica a de Lady Diana,tornando-se Hellen Lady.A única diferença entre as duas é que o treinamento e arma de Hellen é uma foice bumerangue dupla com especialidade em combate corpo-a-corpo.Enquanto Diana é especialista em ataque a distância com pistola laser.Ambas auxiliavam Spielvan nos combates ou pilotando os veículos extras do herói.Chego a comparar a relação de combate do trio com (um herói masculino que possui golpes mortais,rodeado por duas assistentes) com os jogos de nave shoot’n up(shmups) da geração 8 e 16 bits(como R-type; Gradius; e outros) que também eram baseados em uma nave-caça principal que era orbitado por dois droids que serviam de escudo e artilharia extra.

Uma outra curiosidade: Morinaga Naomi, a atriz que interpretou Hellen TAMBÉM fez o papel de Annie, a assistente de Shaider.

E se você que ainda acha (não sei como) que tudo que os metal heroes fizeram foi copiar Star Wars, lá vai outra pra você aprender: Spielvan usava uma espada laser DUPLA na hora de dar seu golpe mortal. Coisa que não é lá a maior de todas as novidades do mundo, com certeza. Mas que só foi muito tempo depois que Darth Maul apareceu nas telas com um sabre de luz duplo. Então não me venham com essa de que Spielvan ‘’copiou’’ o vilão de Star Wars nova trilogia. Não tem nem como.


Mas,como nem tudo são flores, Spielvan ainda teve menos carisma que Jaspion no Japão e a fórmula tinha se esgotado de vez. O final da série também foi muito confuso: inspirado em Planeta dos Macacos, Exterminador do Futuro e outras obras de ficção que envolvem viagens no tempo, é revelado que o tal Planeta Clean, terra natal dos heróis, era uma mentira. Na realidade, Spielvan e sua família tinham vindo do futuro, onde o planeta Terra tinha mudado seu nome para ‘’Clean’’ e foi consumido pelo império Water. Que absorveu e poluiu toda a água potável. Ao derrotar os vilões, automaticamente um paradoxo temporal tem início e o trio de heróis é transportado para um futuro possível onde Water não existia mais e seus pais estavam vivos. Evitando todo o apocalipse que teria sido causado para mandá-los de volta no tempo (eis o motivo de tanto debate,pois o paradoxo não foi resolvido e nem detalhado nos segundos finais da trama) .

E assim foi encerrada a primeira fase da franquia metal heroes: os space metal heroes. Uma pena que até o presente momento meu sonho de criança nunca ocorreu. Ou melhor dizendo: nunca ocorreu um crossover entre Gavan; Sharivan; Sheider; Jaspion; Spielvan; Lady Diana e Lady Hellen,formando um ‘’super sentai de metal heroes do espaço’’!

Nas próximas partes falaremos mais dos outros heróis da segunda fase dos metal heroes: se preparem para Incríveis Ninjas; Policiais de Aço; Homens maquina e equipes de Resgate. Além daquela bizarrice que foi o Vr Troopers; entrevista com o ator de Jaspion ;  e outras curiosidades.

Até a próxima.

Gostou? leia também: